quinta-feira, 26 de novembro de 2009

Me deixa em paz, coração

Vontade de gritar aquilo que eu não devo dizer
De botar pra fora aquilo que eu não devo sentir
Que se alojou em mim sem pedir licença
Ocupando um espaço que não deveria existir

Sai de mim, sentimento estranho
Obscuro, inquieto e irracional
Você não passa de uma invenção
Uma cria da minha solidão

Coração pulando pra fora de mim
Volta pra dentro, quem te deixou sair?
Fica aí bem quietinho, sozinho
Acredite, é melhor assim

Até que eu volte a me estruturar
Essa coisa de amor, é preciso repensar
Melhor ir devagar

E evitar sonhar
Pra não me machucar
Nem me decepcionar

Quando começo a escrever poemas
É apenas o começo dos meus dilemas...

Quem me mandou ser tão molenga?

2 comentários:

Anônimo disse...

Deixe em paz meu coração
Que ele é um pote até aqui de mágoa
E qualquer desatenção, faça não
Pode ser a gota d'água...
Pode ser a gota d'água...
Pode ser a gota d'água!

PriHoelz disse...

nao seja molenga e nunca deixe de sonhar!
seria a xuxa aflorando em mim?
:*